quarta-feira, 30 de maio de 2012

Ligações Químicas: Introdução

A algum tempo eu apresentei em uma postagem (aqui) na qual eu reuni um conjunto de substância e comentei brevemente sobre algumas de suas propriedades. Na sequência eu apresentei cada um dos quatro principais modelos atômicos estudados na química do ensino médio.

A próxima etapa consistiu de informar sobre a tabela periódica e as propriedades nela reconhecidas e padronizadas. E qual o motivo de tudo isso? Entender como os átomos são para entender como eles são capazes de se combinar para formar as diferentes substância encontradas na natureza. A perspectiva de Demócrito não se alterou, apenas o meio para alcançá-la.



Diante desse conjunto de informações, pegaremos as que mais importam e as analisaremos para entendermos como são as ligações químicas. Veja o diagrama abaixo:


Temos dois grandes grupos de elementos na natureza: Metais e Ametais. Os primeiros apresentam, em geral, baixas energia de ionização (EI) e eletroafinidade (EA). O segundo grupo, por sua vez, apresenta valores elevados para as duas propriedades mencionadas.

Isto já foi explicado aqui, mas, de uma forma bem resumida, energia de ionização e eletroafinidade são as energias absorvida e liberada quando um átomo, respectivamente, perde e ganha um elétron.

¬ Iônica

É aquela que surge em consequência de um átomo (metal) "cobrar" pouca energia para perder seu elétron enquanto outro átomo (ametal) "paga" muita energia ao receber o elétron. Com isso, a formação de íons (cátions e ânions) é a óbvia consequência, determinante até para a denominação dessa classe.


Na imagem acima o átomo de sódio transfere um elétron para o átomo de cloro, transformando-se em cátion e ânion, respectivamente. Vale a pena observar que ambos têm, após a transferência, oito elétrons em suas últimas camadas.

¬ Covalente

A covalente é a ligação formada por átomos de ametais, na qual a perda de elétron da parte de um não é compensada pelo ganho da parte de outro. Com isso, eles compartilham um par entre si. Mas este par raramente é compartilhado igualmente, por isso temos a eletronegatividade como propriedade periódica.


Com apenas um elétron em sua única camada preenchida, o hidrogênio compartilha com o oxigênio, que possui oito ao todo, mas seis deles em sua segunda e mais externa camada. É possível observar um par de elétrons entre cada hidrogênio e o oxigênio. enquanto isso, outros quaro elétrons da segunda camada permanecem sem ligação, são chamados de elétrons não ligantes.

¬ Metálica

Quando dois átomos não são capazes de "retirar" o elétron alheio, mesmo ambos tendo baixa energia de ionização, resta a eles estabelecerem uma "relação" na qual vários deles se beneficiam do "uso" dos elétrons de todos. Assim, todos os átomos tiram proveito de todos os elétrons envolvidos.


É imprescindível notar que os íons positivos são os núcleos atômicos acompanhados das camadas mais internas e, em alguns casos, partes das camadas de valência (mais externas). Tais íons se encontram distribuídos de forma simétrica e conferem ao conjunto características tipicamente metálicas.

Na próxima parte veremos as propriedades da substâncias formadas por essas ligações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Devido a brincadeiras de mal gosto e comentários trolls, os comentários serão moderados a partir de agora. Agradeço a compreensão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...