sábado, 31 de março de 2012

Modelos Atômicos: Demócrito.

Desde a antiguidade e, à medida que mais substâncias se tornaram conhecidas, o ser humano (alguns poucos na verdade) vem se perguntando o motivo de tamanha diversidade observada na natureza.

Chama a atenção de uns curiosos coisas como:

¬ o mercúrio...


... único metal líquido;

¬ a água...


... mais densa no estado líquido comparado ao sólido;

¬ o sal de cozinha...


... solúvel em água, mas quebradiço, ambos ao contrário dos metais.

¬ o gás carbônico (dióxido de carbono)...


... como muitos outros gases, não os vemos em outros estados físicos na natureza, apenas em laboratório e outras condições específicas.

Um dos primeiros a se preocupar em explicar tal variedade de características na natureza foi Demócrito.


O figura imaginou que havia um limite de divisão para a matéria. Isso significa que, se eu dividir um grão de areia pela metade, dividir ao meio uma das metades e assim por diante, chegarei a um objeto tão pequeno que não será mais passível de sofrer esse tipo de divisão.

Aí cunhou-se o termo átomo.

A = Negação

TOMO = dividir (vem do grego)

Logo, átomo é aquele que não pode ser dividido.

Com isso, o que nós professores de química chamamos de modelos atômicos, não passa de uma breve história de como o ser humano mudou, com o passar do tempo, sua forma de compreender a matéria.

Ao todo, a nível de ensino médio, quatro pessoas se destacam entre aqueles que buscaram desvendar os segredos desse "controverso" personagem: Dalton, Thomson, Rutherford e Bohr.


A seguir, veremos como cada um deles contribui para a compreensão atual a respeito do átomo.







Outras postagens:

sexta-feira, 30 de março de 2012

Nomenclatura de Compostos Orgânicos IV.

Os Hidrocarbonetos aromáticos são aqueles que, em sua maioria, apresentam estrutura semelhante à do benzeno.


É comum aos aromáticos apresentarem uma baixa proporção de hidrogênios em relação ao número de carbonos e estes formarem duas ligações simples e uma dupla.

A alternância entre duplas e simples ligações dentro ciclo leva a características de aromático. Sendo assim, todo composto que apresenta um ou mais núcleos como o da figura acima é classificado como tal.

Como benzeno também apresenta ressonância em sua estrutura e as duplas "trocam" de lugar com as simples, temos uma situação como a seguinte:


Por causa disso, é comum encontra-lo representado assim:


Alguns se perguntam, porque Benzeno? Sobre as origens dele, veja aqui. Mas hoje usamos tal nome por ser mais simples que o oficial da IUPAC, que seria cicloexa-1,3,5-trieno. Como ele serve de referência para o nome de tantos outros, ficou benzeno mesmo.

Outros aromáticos são obtidos representando duas ou mais estruturas do benzeno.

Sejam unidas diretamente (condensadas)...

quinta-feira, 29 de março de 2012

Movimentos Especiais...

Entre as lições que capacitam uma pessoa praticar o xadrez e executar os lances corretamente, esta é a penúltima e aborda um movimento especial: o Roque.

Trata-se de uma situação única para as peças envolvidas e uma mesma peça não o executa duas vezes. Vamos a ele:

¬ O Roque

Movimento de caráter defensivo que visa a proteção do rei atrás de uma linha de peões em uma das alas, do rei (colunas E, F, G, e H) ou da dama (colunas A, B, C e D). Nele, duas peças são movidas, o rei e uma torre.

As condições necessárias à sua execução são:

a) primeiro movimento de ambas as peças envolvidas;
b) não haverem peças aliadas ou adversárias entre o rei e a torre;
c) o rei não estar de xeque, não passar por uma casa na qual estaria de xeque e nem entrar em xeque na sua casa de destino.

Esclarecida esta parte, vejamos como é o movimento em si:


A caminho da história.

Na derrota rubro-negra de ontem para o Olímpia do Paraguai o lateral direito Léo Moura deu mais um passo para entrar na história do mais querido do Brasil.

Ele participou de sua tricentésima octogésima primeira (381º) vestindo o manto sagrado. Agora ele é o vigésimo terceiro (23º) entre os gigantes da longevidade vermelha e preta, empatado porém, com Jarbas.

E aproveito o espaço para homenagear este ex-jogador que será ultrapassado no final de semana.


Jarbas é o sexto maior artilheiro de todos os tempos entre aqueles que tiveram a honra de jogar pelo Flamengo e participou do primeiro tricampeonato carioca, ocorrido nos anos de 1942/1943/1944.

Acompanhemos...







Outras postagens...

quarta-feira, 28 de março de 2012

Meu Paradoxo...

Situação mais paradoxal que esta de agora e que se repete dentro de um prazo de quatro dias eu nuna vi e duvidava de ser possível.

Pela segunda vez a bosta do transformador queimou ou falhou em parte, pois houve um estrondo e os aparelhos perderam potência sem desligar por completo.

Verifiquei o estabilizador e este acusou baixa tensão, desgraça, caiu uma fase de novo. Mas, com fase a menos, modem e roteador ainda funcionam... sorte não depender apenas do desktop para acesso à net.

Conclusão, estou sem luz teclando no msn, facebook e no meu blog.














Outras Postagens:

segunda-feira, 26 de março de 2012

O número 37.

Que o número 37 não passa de mais um dos amplamente conhecidos e sem graças dos números primos não é novidade. Mas para o clube rubro-negro mais carismático entre os homo-sapiens eu acabo de descobrir uma coincidência.


Esta é a quantidade de atletas do futebol masculino profissional que vestiram o manto sagrado em mais de 300 partidas oficiais. Dados segundo o Flapédia e o Flaestatísticas.

sábado, 24 de março de 2012

Gosto...

A anos não faço um soneto, então lá vai...


Gosto do amargo
Gosto do azedo
Gosto da coragem
Gosto do medo

Gosto do morango
Gosto do chocolate
Gosto da mentira
Gosto da verdade

Gosto de aprender
Gosto de consoante
Gosto de Freud

Gosto de fazer
Gosto do montante
Gosto de Floyd









Outras postagens:

sexta-feira, 23 de março de 2012

Desafio Aceito.

Como é de praxe, os cientistas aceitaram o "desafio" do neutrino que insistia em viajar mais rápido que a luz.


Com o método científico é assim: Não basta alguém gritar algo aos quatro ventos e temos uma nova verdade. Uma descoberta é anunciada e novos experimentos são realizados para verificá-la como verdadeira ou refutá-la.

Como se pode ver pela seguinte reportagem, alguns físicos colocaram a mão na massa e testaram ao máximo e têm resultados diferentes. Para se ter a certeza, novos experimentos trarão uma resposta conclusiva, porque definitivo, na ciência não existe.


O senhor Albert Einstein agradece.

Mas, particularmente, eu acho uma pena que os tais neutrinos não ultrapassaram, de fato, a velocidade da luz. Gostaria de ver um rebuliço na comunidade científica, entre os físicos, principalmente.

Enquanto isso, no aguardo de novidades.








Outras postagens:

quinta-feira, 22 de março de 2012

Chip no Uniforme...

Eu vi esta semana uma notícia que não me surpreendeu, dadas a atual conjuntura do ensino brasileiro, só imaginava que demoraria um pouco mais dados os custos do uso de tal tecnologia em grande quantidade.

Mas rapidamente encontrei nas redes sociais desabafos com o descrito abaixo:


"Inventaram uniforme escolar com chip, que avisa os pais quando o filho cabula ou não a aula. Sério, tá acabando a graça de viver."

Essa frase é a cara da do estudante da imagem abaixo:



Não vejo o quadro como um problema ou a causa de mais problemas. A necessidade de criar chips que ampliam  o alcance da eterna vigília do Big Brother e a reclamação do estudante que  não entende a necessidade de estudar são, ao meu ver, sintomas.


Sintomas de:

¬ excesso de responsabilidade a cargo da escola;

¬ de pais trabalhando tempo demais para exercer uma função deixada sobre os ombros da escola;

¬ de estudantes fartos de um modelo de ensino ultrapassado;

¬ modelo, até o momento, inalterável pelo fato de os principais agentes (professores) de uma possível mudança não terem meios de executá-la.

Mas todos sabemos o motivo disso ser como é, o status quo não pode mudar. Preferimos pagar para a mudanças acontecerem ao invés de sermos nós os agentes da mudança.

Observo apenas que, a cada dia, a situação piorará. Não é um chip no uniforme que impedirá o aluno de matar aula, caso não exista um diálogo entre escola, estudante e pais.

Se sou estudante, tiro o uniforme (camisa) e a entrego para um colega que permanece na escola. Se nenhum funcionário percebe minha ausência, abraço.

E o resultado disso?


Também já sabemos.







Outras postagens:

Poliedros de Arquimedes I: Truncados

No "artigo" sobre os poliedros de Platão eu apresentei alternativas para a construção de estruturas tridimensionais e, portanto, complexas de se imaginar ou até mesmo observar suas respectivas representações no plano.

A conclusão do material se dá com uma proposta um tanto ousada. Atravessar, com planos imaginários, as arestas em um ponto distante do vértice exatamente um terço do comprimento da aresta. 

Eu sei, parece confuso, por isso uma imagem ajudaria e bem.

Vejam o icosaedro a seguir:


Agora observem o mesmo com os "cortes" propostos:

terça-feira, 20 de março de 2012

Rei em xeque e xeque mate.

Uma vez que se sabe como posicionar o tabuleiro, colocar as peças na posições corretas e que sempre as brancas começam, partilho da opinião do Grande Metre Capablanca de que devemos aprender como terminar uma partida.

Sendo assim, apresentarei melhor as peculiaridades envolvendo o rei e seus movimentos. Como mencionado no post anterior, o rei move-se apenas para a casa vizinha e é a peça mais importante, entre outros motivos, por não ser passível de captura. Mas é a única cuja fuga do xeque é obrigatória e que sofre o xeque mate.

Então, nada melhor que, nesta etapa, esclarecermos estes dois conceitos.

Antes de explicá-lo, dois esclarecimentos:

a) A captura de uma peça A por uma peça B no xadrez não é obrigatória, salvo algumas exceções.

b) Quando uma peça A se encontra em uma casa de modo que esteja no caminho do movimento de uma peça B, dizemos que se encontra sob possibilidade de captura por parte da peça B.


Observe:

 O cavalo preto localizado em C2 pode, caso o jogador que controla as peças pretas queira, capturar o bispo branco em B4.

O bispo branco em C6 pode, caso o jogador que controla as peças brancas queira, capturar o cavalo em E8.

Lembre, peças como peão, bispo, torre, dama e rei capturam outras em sua linha de ação. O cavalo captura apenas em sua casa de destino.

¬ Xeque


Ocorre quando uma peça qualquer, exceto o rei, se posiciona de modo a ter o rei em sua linha de ação. Como é o caso da torre no exemplo abaixo.



segunda-feira, 19 de março de 2012

Métodos de Separação de Misturas II

No que diz respeito a processos físicos de separação de misturas, quatro deles são os mais mencionados e lembrados em exercícios de vestibular: filtração, decantação e destilações simples e fracionada. A abordagem sobre tais métodos se encontra aqui.

A porção restante dos métodos será apresentada de acordo com a classificação da mistura e seu (s) respectivo (s) estado (s) físico (s).

Misturas Heterogêneas:

¬ de sólido com sólido:

a) Catação: uso das mãos diretamente ou de ferramentas como pinças  para separar objetos. Ex: arroz e impurezas, feijão e impurezas, material destinado a reciclagem.


b) Aeração: jato ou corrente de ar arrastando partículas leves. Ex: fuligem resultante de combustão não ideal.

domingo, 18 de março de 2012

XVII Encontro de RPG

Neste sábado e domingo, dias 17 e 18 de março, respectivamente, a biblioteca central da UFV recebeu o XVII Encontro de RPG de Viçosa.


E mais uma vez, desde 2007, estava eu lá com o xadrez e os poliedros de canudos. Estes, pelo segundo ano seguido e com direito a uma oficina para a galera interessada aprender a montá-los.

Seguem abaixo uma imagem dos poliedros na bancada que separava as oficina de poliedros e de xadrez e o setor de Magic The Gathering do restante do encontro.


De um modo geral o encontro foi agradável, com curiosos querendo conhecer melhor o jogo e alguns pais interessados nas atividades de seus filhos, o que é bom.

As oficinas não bombaram, mas tiveram lá sua dúzia e meia de interessados.


Na foto acima eu e o Guilherme, um de meus alunos, exibindo alguns dos monstrinhos montados na oficina.


Muitas partidas de xadrez... isso é bão.

Nesta semana farei um tópico sobre os poliedros montados na oficina...







Outras postagens:

sexta-feira, 16 de março de 2012

O Imponderável...

Ontem, 15 de março de 2012, o imponderável, o espanto, o Sobrenatural de Almeida ou os três juntos passearam pelo engenhão. Fiquei chateado por eles aparecerem contra, mas quando aparecem a favor ficamos satisfeitos ou, no mínimo, orgulhosos dos 11 que vestem o manto sagrado.

Exemplo disso é a ficha da partida abaixo:

C.R. Flamengo 3 x 4 Santos (SP)
Torneio Rio-São Paulo
27/07 - Estadio: Vila Belmiro - Santos - SP
Time: Gilmar, Charles Guerreiro (Fabio Baiano), Júnior Baiano, Rogério, Piá, Fabinho, Marquinhos, Júlio Cesar (Paulo Nunes), Luís Antonio, Renato e Nélio.
Gols: Renato (2) e Paulo Nunes. 
Público: 10.160

Infelizmente não há lances do jogo disponíveis na grande rede, procurei e muito e nada achei.

Entre as partidas postadas até aqui, esta é a terceira, a segunda derrota. Poucas vezes senti tanto orgulho de ser flamenguista como nessa partida.

Ao Flamengo bastava um empate e estaríamos na final do Torneio RJ-SP de 1993, mas uma série de vacilos da equipe durante o jogo e uma competência santista deram uma sonora goleada alvinegra até os 42 do segundo tempo.

Aí os "deuses" do futebol resolveram que, enquanto aquele jogo durasse, seria inesquecível, pelo menos para mim. A partida foi encerrada aos 47 do segundo tempo. Em cinco minutos, Renato Gaúcho e Paulo Nunes marcaram três gols.


É verdade que não impediram a derrota, mas não importa, mostraram em cinco minutos do que eram capazes o imponderável, o espanto e o Sobrenatural de Almeida juntos.

Uma derrota sim, mas uma derrota com esforço, entrega e garra, elementos que já foram típicos de todo jogador rubro-negro.

Imagem do dia...

Cara, gostei muito dessa.


Outras postagens:

Sobre Livre Arbítrio.

A discussão é em função da seguinte imagem:


Minha tese é a seguinte:

Se isto é verdade, então você não tem livre arbítrio.

Eis que recebo como resposta:

"Ele tem siim..ele escolhe que caminho seguir, se for um caminho de mal Deus não o impedirá..mas também não impedirá que as consequencias acontecam ! a escolha é sua..isso é livre arbítrio."

Minha réplica:

Entenda o seguinte: quando se diz que NADA acontece sem a permissão de uma entidade divina, automaticamente você diz que QUALQUER fenômeno/evento no universo acontece somente porque tal entidade permite acontecer, isso é controle, é manipulação, não há liberdade nisso. E no meio do "qualquer" estão as suas "escolhas", que não fogem à regra exposta na imagem.

Uma analogia muito simples:

Uma criança com a mãe na loja de brinquedos. Mãe, posso escolher qualquer brinquedo? Pode sim, filho. Quero este. Ah, filho, você já tem um parecido, diz a mãe olhando o preço. Ah, esse aqui então. Esse aí você já está meio grandinho pra ele. E o processo se repete até que a criança escolha um que a mãe possa pagar.

Como a criança não compreende os motivos da mãe e não percebe a manipulação, acreditou que teve liberdade de escolha, mas sabemos que isso não é verdade.

O mesmo vale para a nossa realidade, não é compatível um deus onipotente (que tudo pode) com livre arbítrio, pois as nossas "escolhas" são fruto do poder dele sobre nós. Como até hoje ninguém mostrou e provou a interferência de divindade alguma nos fenômenos da natureza, eu fico com o livre arbítrio e deixo deus para quem ainda acredita em mitos da idade do bronze.

Depois disso não houve resposta, analisem e comentem.







Outras postagens:

quinta-feira, 15 de março de 2012

Xadrez: o movimento de cada peça.

Na sequência das lições iniciais, onde aprendemos como preparar o tabuleiro e as peças para jogar, aprenderemos como movimentar cada peça.

Antes de qualquer coisa, considero extremamente necessário lembrar que, ao contrário de jogos como o "jogo de damas", a captura ocorre com a peça capturada dando lugar à peça que a captura.

Outro evento comum em jogos é o de peças saltarem umas as outras em seus movimentos. Com exceção do cavalo, nenhuma peça faz isso.

Comecemos então pelo peão e seguimos em ordem crescente de importância:

¬ Peão


O peão é capaz de movimentar-se apenas para frente e mover-se apenas uma casa, exceção feita para seu primeiro movimento, no qual move-se por duas ou uma casa. Com isso, ao mover cada peão pela primeira vez, o jogador escolherá se "andará" uma ou duas casas. A partir disso, apenas uma casa por movimento é permitida.

A captura do peão também é limitada, podendo ocorrer apenas nas casas diagonais à sua frente. Jamais um peão retrocede, seja por movimento simples ou captura.


As bolas vermelhas representam a possibilidade de movimento e o "X" a de captura.

Quando o peão chega ao extremo oposto do tabuleiro é promovido a qualquer peça que não seja o rei ou ele mesmo. A promoção é efetuada com a retirada do peão e uma peça à escolha do jogador que o controla é colocada na mesma casa.

¬ Cavalo


O cavalo tem o movimento aparentemente mais complicado do ponto de vista do iniciante, por não obedecer linhas retas, como as outras peças.

Para todos os efeitos, dizemos que ele se movimenta em "L", mas com o cuidado de lembrar que ele é o único capaz de saltar outras peças em movimentos regulares.

Sua captura ocorre apenas na casa de destino, de modo que ele ocupe a casa da peça capturada.


O "salto" do cavalo é parte de seu movimento, não interferindo nas peças "saltadas" por ele.

¬ Bispo


O bispo se movimenta apenas por diagonais, sem saltar peças aliadas ou adversárias, não trocando a cor da casa pela qual se movimenta. Por isso, cada bispo começa e termina sua participação no jogo em casa de uma mesma cor, sem, portanto, trocá-la.



¬ Torre


A torre se movimenta por linhas ou colunas, sem saltar peças aliadas ou adversárias. Por essa característica são combinadas em algumas situações de modo a se alinharem para combinar ataques mais fortes.


¬ Dama


A dama, também chamada de rainha, se movimenta tanto como bisco quanto torre, fica a critério do jogador, sem a necessidade de avisar o adversário.


¬ Rei


O rei é a peça mais importante do jogo e a única não capturável. Seu movimento é muito restrito em termos de amplitude, pois se move apenas para casas vizinha, porém em qualquer direção.


Com isso verificamos, todos os movimentos das seis diferentes peças do xadrez. O iniciante deve se familiarizar com eles antes de aprender o xeque-mate, que será visto no próximo tópico.


Métodos de Separação de Misturas I

Desde quando o ser humano fez suas primeiras ferramentas, também desenvolveu métodos rudimentares de seleção para "fabricá-las". A capacidade de produzir o próprio fogo contribuiu no processo.

A seleção de qual pedra lascar para criar a superfície cortante ou qual madeira para iniciar o atrito que origina o fogo são um processo de separação chamado hoje de catação. 

À medida que o ser humano evoluiu a tecnologia à sua disposição, ocorreu uma melhoria e surgimento de novos métodos de separação. Muitos deles praticados até hoje, mas com objetivos diferentes, como veremos a seguir.

Ao invés de apresentar um monte de métodos e figurinhas exemplificando-os, começarei por um diagrama a partir do qual determinaremos qual método utilizar, explicando-o então. Observe:


É evidente que não são apenas quatro, mas são os principais, falemos do mecanismo para escolhê-los. Uma vez que já sabemos como distinguir uma mistura homogênea de uma heterogênea, resta-nos determinar os estados físicos dos componentes.

Todo sistema heterogêneo formado por um sólido e um líquido é separável por filtração.


Observe que o sólido é incapaz de passar pelos poros do papel de filtro, encontrando-se retido, portanto. O mesmo não acontece com o líquido e qualquer substância nele solúvel. Dia após dia milhões de pessoas preparam café com este processo em uma de suas etapas.

Um caso de filtração pouco lembrado é a separação de partículas sólidas do ar. Aspirador de pó, ar condicionado e veículos dependem de filtro para retirar tais partículas e estas não comprometerem o desempenho de seus motores.


Note a sujeira acumulada no filtro após certo tempo.

Caso o sólido seja solúvel no líquido, o sistema pode apresentar-se como homogêneo e o método será a destilação simples.


Na destilação simples o objetivo é retirar a maior quantidade possível de solvente da mistura que, aquecida, perde volume por evaporação de solvente e este retorna ao estado líquido no condensador, gotejando no erlenmeyer. A água destilada é obtida por este método.

Garimpeiros conscientes de que o mercúrio polui o meio ambiente  usam a retorta para recuperar o metal líquido evaporado e que dissolve o ouro.


Todo sistema formado por dois líquidos que não se misturam, chamados assim de imiscíveis, é heterogêneo. E a decantação é o método da vez.


Nesse procedimento utiliza-se um funil conhecido por funil de bromo ou funil de decantação. É importante observar que o líquido mais denso é retirado primeiro, por ficar na parte inferior e mais próximo, portanto, do orifício. Uma caixa de gordura é uma aplicação deste método.

Imagem retirada deste link

No canto superior direito é a entrada da mistura vinda da cozinha de uma casa, a saída da caixa é contornada por uma "barreira" que se estende até quase o fundo dela, assim, só o líquido mais denso, no caso a água, sai da caixa. Isso significa que, vez ou outra, é necessário limpar a caixa de gordura.

Anexo de 17/02/2014: Passeando pelo youtube encontrei um vídeo com a aplicação do método, interessados cliquem aqui.

Um outro detalhe relevante é a necessidade de se acelerar o processo de decantação por conta de a mistura estragar ou apodrecer antes que separe. Para tal, existe a centrifugação.


Imagem retirada deste link

A aceleração da gravidade recebe uma "ajudinha" da aceleração centrífuga. Tornando a separação muito mais rápida e eficiente. Todos as etapas relacionadas a análise de sangue para doação ou determinar doenças dependem disso, como mostra o diagrama abaixo, no qual separou-se as plaquetas por centrifugação.


Caso o sistema formado por dois ou mais líquidos seja homogêneo o método indicado será a destilação fracionada.


Note que a diferença para a destilação simples é a presença de uma coluna contendo bolinhas de porcelanas. Em alguns livros e apostilas, esta peça é chama de coluna de fracionamento ou coluna de vigreaux (leia vigrô).

O objetivo é que o líquido mais volátil, ou seja, de menor temperatura de ebulição, separe primeiro. Isto acontece justamente pelo fato de o vapor do líquido menos volátil condensar-se nas bolinhas de porcelana, enquanto o outro passa em maior quantidade sem condensar-se.

Desde a descoberta do potencial do petróleo como fonte de matéria para combustão, primeiro o querosene em lampiões, depois a gasolina em motores de combustão interna, o refino do óleo negro consiste de um processo de destilação com muito mais que dois componentes.


As técnicas de separação restantes serão vistas na parte II deste tópico. De momento, observem que, pela quantidade de exemplos, estes são o métodos mais lembrados pelas bancas responsáveis por formular questões em ENEM e vestibulares.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...