sábado, 25 de fevereiro de 2012

Aborto.


Continuando a minha trajetória por tema polêmicos, hoje temos, talvez, o maior deles: o aborto.

Segundo o wikipédia "um aborto ou interrupção da gravidez (ver terminologia) é a remoção ou expulsão prematura de um embrião ou feto do útero, resultando na sua morte ou sendo por esta causada", e eu concordo com tal definição.

Começo a minha explanação informando a minha opinião, sou a favor. Incluindo aí situações não consideradas legais pela legislação brasileira.

Como as abordagens são inúmeras, desde sociais, políticas e econômicas, até as religiosas, morais e científicas. Me aterei ao terreno no qual me sinto confortável, a ciência.

Já observei várias opiniões a respeito e suas considerações sobre a origem da vida de um ser humano, vamos a elas:

  1. Antes da concepção (ou fecundação), caso da "santa" igreja católica apostólica romana, representada hoje por Bento XVI, que "proíbe" o uso de métodos contraceptivos por parte de seus seguidores.
  2. Na concepção, caso de várias outras autoridades eclesiásticas e não ligadas a religião alguma.
  3. A partir do momento que o feto assume a forma de um ser humano convencional.
  4. A partir do momento que o feto consegue sobreviver fora do útero, seja com ajuda de aparelhos ou não.
  5. A partir do nascimento, quando deixa de ser feto e se torna um bebê.

Não estou aqui para julgar as categorias acima citadas, apenas as relatei. Você, caro leitor, já tem, muito provavelmente, a sua empatia por uma delas. Se a sua preferida não se encontra, deixe um comentário.

Eu particularmente, considero um ser humano o feto em um estágio entre as categorias 3 e 4. Sendo assim, não considero ser humano um punhado de células (contendo cada uma 23 pares de cromossomos) a se desenvolver presas à parede uterina. Aquilo se tornará um ser humano, sem dúvida, se seu desenvolvimento for permitido.

E a quem cabe a decisão de permitir ou não que a gestação continue? Penso que se trata de uma decisão do casal que concebeu tal fecundação. Somente eles devem escolher entre interromper ou não a gestação. E esta escolha não deve, em hipótese alguma, ser julgada por questões éticas, morais ou religiosas, pois não vejo como competência destas áreas a base para tal julgamento.

A base seria a ciência. Como se faz em tantos países europeus, como você lerá neste link. Tais países, com legislações desapegadas ou desapegando-se da influência negativa, diga-se de passagem, da religião, adotam a algumas décadas leis muito menos opressivas neste quesito se comparados ao Brasil.

Para ficar claro, no Brasil é assim:

imagem retirada deste link

Notem, por curiosidade, o canto inferior esquerdo da figura.

Agora, o que não suporto é propaganda estúpida como a da imagem abaixo.


A intenção é claramente sensibilizar as pessoas, mas isto não tem a haver com o tema. Nesta imagem temos um bebê, uma criança ou um ser humano neo natal ser assim preferirem. Quando se aborta, não é assim que ele sai.

Até 18 semanas, sairá algo como isso:

Aqui haveria uma foto de um feto com 18 semanas, mas a original desapareceu e não consegui uma nova e adequada para substitui-la.*

Até 22 semanas, assim:


Para outras semanas, basta consultar o google imagens.

É por isso que, na Alemanha, o aborto voluntário é permitido até a 12° semana de gestação. Muito prudente e sensato.

*Alteração executada em 16/07/2015.

28 comentários:

  1. Concordo em parte. Creio que se fosse uma questão voluntária em um país com o nível de desenvolvimento sócio-econômico como o Brasil, haveria uma banalização que poderia levar a um colapso populacional, já que a porcentagem de filhos planejados por aqui é muito pequena. Todavia, não faria sentido deixar que uma criança que não tenha condições mínimas de sobrevivência nasça, sendo portanto, prudente abortá-la enquanto é um ser "inconsciente". A questão é relativa, e apoio sua iniciativa de fazer uma discussão livre de ideias de senso comum, bem como de preceitos religiosos sobre o assunto. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pretendo abordar as outras áreas em uma postagem futura. Mas, de qualquer maneira, sua opinião já serve de base para uma análise.

      Até a próxima.

      Excluir
  2. Pelo sentido da frase "Aquilo se tornará um ser humano."..
    significa que não se trata de uma experiência científica com resultados
    indefinidos mas sim sómente uma etapa da formação desse ser humano.
    As fases seguintes serão classificadas como feto,recém nascido,criança,
    adolescente,adulto ...Qual delas é a mais importante para o ser humano?
    Honestamente não sei,só sei que hoje é sábado porque ontem foi sexta-feira.
    Resumindo,por assim pensar sinto-me mais desconfortavel com a
    forma ideológica,anti-religiosa e fanática da maioria dos defensores do
    aborto do que com a eliminação da segunda-feira do calendário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A resposta ao seu comentário se encontra aqui:

      http://paulosutil.blogspot.com/2012/02/aborto-ii.html

      Excluir
  3. Mesmo que seja "Um punhado de células" não deixa de ser uma vida. Penso, será que seu pensamento seria o mesmo quando ainda era "um punhado de células?". Não cabe a nós Decidir a vida de um ser humano que ainda não teve a oportunidade de escolha, não seria o aborto uma forma de assassinato, tão grave quanto?! Será que a criança que está a ser gerada no ventre tem culpa por estar ali? Ela não deve ser penalizada pela promiscuidade de uns. “Já dizia D. Eugênio Sales: As Pessoas que são a favor do aborto já nasceram”. Filho é uma benção que Deus dá, não ache que será um fardo tê-lo, pois Deus só lhe dá a cruz que você pode carregar.

    Deixa viver o que um dia você foi!!

    Atenciosamente, Dayane Costa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dayane, a resposta ao seu comentário se encontra em:

      http://paulosutil.blogspot.com.br/2012/04/aborto-iii.html

      Excluir
    2. Apesar de não fazer relação direta ao aborto, creio que sirva como uma contra argumentação. Ao meu ver, não é uma benção um filho que nasce fadado à morte. Qualquer ser que tenha o mínimo de censo crítico percebe a hipocrisia da existência de um deus que abençoa "seus semelhantes" com o sofrimento.

      Excluir
    3. Anônimo, o mais importante é o debate em si, com respeito principalmente. Valeu e volte sempre.

      Excluir
  4. não e atoa q o nazismo nasceu na alemanha =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é a toa que pessoas desinformadas falam besteira sobre temas dos quais desconhecem. Para sua informação, a maioria da comunidade europeia tem legislação semelhante à da Alemanha e esta não foi a pioneira.

      Seu comentário é o exemplo maior de como o preconceito e a discriminação interferem em temas cruciais como o Aborto e como a legalização dele traria melhor qualidade de vida para milhões de mulheres no Brasil.

      Excluir
    2. É verdade Paulo o que você falou:
      "pessoas desinformadas falam besteira sobre temas dos quais desconhecem.."
      Assim como você que postou essa sua opinião sem pé nem cabeça e tentando convencer essas pessoas que você é um ser "informado" ou "inteligente", sendo que de cara se nota que não passa de um ser ignorante! --'
      Um aborto NUNCA vai ser algo legal, pode esquecer isso!
      Um dia Deus vai cobrar por cada vida jogava fora que aqui na terra foi feito! Ahhhh vaaaai!!

      Excluir
    3. Vanessa Severo

      "Assim como você que postou essa sua opinião sem pé nem cabeça e tentando convencer essas pessoas que você é um ser "informado" ou "inteligente", sendo que de cara se nota que não passa de um ser ignorante!"

      Mostre qual informação que eu usei acima se encontra equivocada. Se você não mostrar, não passará de uma tola me chamando um desconhecido de ignorante por simplesmente não concordar com a opinião dele.

      "Um aborto NUNCA vai ser algo legal, pode esquecer isso!"

      Fale isso para a comunidade europeia. Informe-se. Até no Brasil alguns tipos de abortos são legalizados.

      "Um dia Deus vai cobrar por cada vida jogava fora que aqui na terra foi feito! Ahhhh vaaaai!!"

      Se você acredita nisso, o problema é seu. Não significa que outras pessoas têm de acreditar e muito menos seguir o que prega a sua religião.

      Excluir
  5. Paulo sutil, deveria mudar para Paulo Inútil...você é um pobre coitado, ignorante e digno de pena. sem mais...

    ResponderExcluir
  6. Eu sou a favor que sua mãe tivesse te abortado. Já pensou nisso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já pensei, pra seu azar ela não fez isso. E, para sua burrice, o que procuro é o direito de mulheres decidirem (ou não), assim como é seu direito manifestar-se dessa forma contra um desconhecido que pensa diferente de você.

      Deixa de ser idiota e aprenda a conviver com as diferenças.

      Excluir
  7. Paulo, não tenho nada contra abortos. O corpo da mulher que o gera, pertence a ela. Exclusivamente a ela, na minha opinião, ela decide. Acho que os termos em que o aborto está colocado nas leis Brasileiras, está correto. Se a mulher foi estuprada ela tem o direito de não querer um filho que é fruto de violencia. Ela jamais poderá amar plenamente uma criança assim, a não ser que minhta pra si propria, como faz a sociedade e a maioria das pessoas que opinam por aqui tendo a religião como escudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, penso que a mulher deve ter mais situações nas quais possa optar pelo aborto, mas a sua colocação é um bom começo. Agradeço.

      Excluir
  8. Algo como "ISTO"... Aquele BEBÊ com menos de 20 semanas para você é considerado como "ISTO", Algo que não sensibiliza as pessoas??? é isso que vocÊ está nos dizendo??
    Não sei qu tipo de ser humano você é para falar de tão fria maneira quando se refere a um bebÊ de pouco menos de 20 semanas?
    VocÊ sabia que nesta fase ele já chuta?
    Sabia que ele tem todos os órgãos formados e funcionando?
    Que ele sorri e chupa o dedinho?
    Que ele escuta a voz da mãe quando fala?
    Que reage positivamente quando recebe um alimento pelo cordão umbilical??

    Você deve fingir não saber não é mesmo?

    Independente do tamanho do bebê, feto, ou "um monte de células unidas" como você se refere, É SIM UMA VIDA, uma vida que foi feita por dois seres, um homem e uma mulher que sabiam o que estavam fazendo já que a gravidez pode ser previnida de diversas maneiras.
    Porque deixa-la acontecer preimeiro para depois decidir "tirar" a criança? Porque não previnir já que existem diversas maneiras? e já que "aconteceu" como muitos pessoas falam, porque não assumir??
    Se aconteceu era pra acontecer, e nem pai nem mãe nenhuma tem o direito de matar ou não um filho por mais que ele ainda seja tão pequeno e indefeso! NINGUEM TEM ESSE DIREITO DE ESCOLHER SE AQUELA VIDA VAI OU NÃO EXISTIR.
    Pense em todas as besteiras que vocÊ postou neste blog, pense que se você TEM SUA OPINIÃO não tem o direito de falar essas horroridades tentando convencer as pessoas de concordarem com essa sua opinião estúpida!
    E eu quero só ver se terá coragem de publicar meu comentário, já que não terá argunmentos, talves o exclua não é mesmo?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa Severo

      Este seu apelo à emoção não convence. Apresente argumentos relevantes. Você me chama de frio e pergunta que tipo de pessoa eu sou. E te respondo, sou o tipo de pessoa que pensa que cada mulher deve escolher se deseja ou não levar uma gravidez indesejada adiante. Isto independentemente do que eu, você ou qualquer outra pessoa pense. Livre arbítrio, lembra?

      "Você deve fingir não saber não é mesmo?"

      Em momento algum eu fingi não saber. Apenas penso diferente de você.

      "Porque deixa-la acontecer preimeiro para depois decidir "tirar" a criança?"

      Pelo simples motivo de situações extraordinárias acontecerem. Preservativo furar, anticoncepcional não funcionar, pílula do dia seguinte não causar efeito, estupro e, até mesmo gravidez indesejada na adolescência. Ou vai me dizer que nunca na vida fizeste algo sem medir as consequências? Atirar a primeira pedra e julgar sem saber do que se trata é fácil né?

      "NINGUEM TEM ESSE DIREITO DE ESCOLHER SE AQUELA VIDA VAI OU NÃO EXISTIR."

      A sua crença diz isso, não quer dizer que seja verdade por você acreditar. Aprenda a diferença o quanto antes.

      "Pense em todas as besteiras que vocÊ postou neste blog"

      Pense que você não é a dona da verdade e se as pessoas deviam ou não ter o direito de escolher o que fazer da própria vida.

      "E eu quero só ver se terá coragem de publicar meu comentário, já que não terá argunmentos, talves o exclua não é mesmo?!"

      Um comentário infantil e infeliz com este não há motivo para exclui-lo, pois ele ilustra bem pessoas como você, maioria no momento, dizendo o que os outros devem ou não fazer.

      Excluir
  9. Essa questão de vida ou não vida pode ser explicada pela filosofia: "(...)Fetos não possuem autoconsciência, muito menos capacidade de reflexão ou memória. Portanto, não atendem a essas características definidoras de um indivíduo. Mas, nesse caso, pacientes em coma ou estado vegetativo também não teriam direito moral à vida, assim como crianças recém-nascidas, que não possuem ainda a noção de self.

    Uma forma de resolver isso é apelar para a doutrina de Aristóteles da potência e ato. Para Aristóteles, existe um ser em ato e um ser em potência. Potência é a capacidade para realizar algo, enquanto ato é a realização concreta dessa potencialidade. Por exemplo, se tenho a capacidade de andar (potência), e não for impedido por condições externas, eu ando (ato).

    Visto sob esta perspectiva, o feto seria um indivíduo em potencial e, em razão disso, realizar um aborto seria privar o feto do direito a essa vida futura." texto completo, muito simples e claro de José Renato Salatiel em http://educacao.uol.com.br/disciplinas/filosofia/aborto-a-etica-e-a-interrupcao-da-gravidez.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A discussão por mim proposta não gira em torno de um direito moral à vida. Que seria indiscutível em um mundo ideal e hipotético sem estupros, pobreza extrema, gravidez não planejada e tantos outros eventos prévios a um aborto.

      Pacientes em coma ou em estado vegetativo teriam uma vida consciente prévia na qual se manifestariam sobre a manutenção de aparelhos ligados ou não. Em caso de indiscutível vontade de não permanecer em tal estado (coma ou vegetativo), irreversível, diga-se de passagem, penso que desligar os aparelhos seria uma opção sensata.

      Completando, penso que a retirada do feto antes da formação do sistema nervoso central, que não ocorre antes da 12° semana, seria o menos pior. Principalmente por ele ainda não ser.

      De qualquer maneira, agradeço pela sua participação cordial e educada, independente de concordar ou discordar. Uma ilha entre pessoas que parecem digitar palavras espumando pela boa.

      Excluir
  10. Olha, com o avanço dos métodos contraceptivos, com a possibilidade de se fazer uma ligadura de trompas sem abrir o abdômen, com a simplicidade de uma vasectomia, acho que todos os esforços devem ser dirigidos à prevenção da gravidez. Pode-se educar e informar sobre o uso, doar, colar um adesivo contraceptivo na pele da mulher qdo ela for sacar a Bolsa Família e tudo o que for preciso.

    A gente sabe que a mulher não é culpada por estar grávida e que ela tem o direito de dispor sobre seu corpo, mas o embrião ou feto tb não é culpado! Eu sou feminista e não consigo sustentar esse argumento da liberdade reprodutiva, pq essa liberdade finalmente existe, bastam cuidados. É que qdo se coloca na balança o direito à liberdade de uma inocente X a morte de um ser humano inocente, num mundo onde se tenta proteger a vida humana de todas as formas, me parece uma falta de bom senso, um egoísmo, uma crueldade até defender a legalização do aborto por opção quando se pode fazer políticas públicas para impedir a gestação.

    Outro ponto: se o estado vai assumir o papel de 'agente' do aborto, a questão sempre vai envolver a ética: se for considerado um crime contra a vida, ainda que futura, o estado não pode concordar, muito menos ser 'cúmplice'. Mesmo que isso fosse salvar a vida dos milhões-de-mulheres-que-morrem-enfiando-agulha-na-vagina (na verdade ninguém sabe qtas são, nem quem são, e é evidente que não é este o motivo para legalizar, senão o Uruguai, onde morrem 0 ou 2 mulheres por ano em abortos clandestinos, não teria legalizado).

    A propósito, eu concordo com a visão genética sobre o início da vida humana: começa na fertilização, quando espematozoide e óvulo se encontram e combinam seus genes para formar um indivíduo com um conjunto genético único.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Veronica,

      Você citou uma gama de prevenções da gravidez. Concordo integralmente que sejam colocadas em prática em caráter de urgência. E quanto aos casos já citados e não contemplados por essas medidas?

      Falando em bom senso, eu poderia também dizer que é uma falta de bom senso colocar na mesma balança um embrião humano cujo sistema nervoso ainda não foi formado e um ser humano completamente formado. É aí que entra o aborto, como uma opção, não a única.

      O estado não precisa ser o agente do aborto, pode ser como sempre em relação a muitos temas, agente regulamentador. Em que condições, prazo máximo de gestação e etc...

      Sobre a visão genética, concordo que a célula fertilizada tenha o mesmo genótipo de um ser humano, mas daí a dizer que é um ser humano, há um abismo de diferença.

      Excluir
  11. Quer dizer Sr. Paulo que quem tem que pagar a conta de uma trepada sem responsabilidade é um ser inocente? Um filho não é um objeto que se adquire e depois joga fora se houver arrependimento. Arcar com as conseqüências dos seus atos, é uma lição que vem de casa. Quer dizer; se você for assassinado no trânsito pq reagiu a um assalto a culpa foi sua? Pense bem, se você teve amor de mãe, pode saber que esse amor começou desde que você era menos que "ISSO", como você mesmo denominou um feto de ser humano. Talvez você nunca sinta o prazer de ser pai, e saber que todo ser vivo tem direito a vida. Se uma mulher não quer o seu próprio filho, tenha certeza de que existem várias que querem dar aquilo que quem o gerou não quis dar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leila, uma "trepada sem responsabilidade" não é a única causa de uma gravidez indesejada. Um feto em formação, principalmente antes de completar o sistema nervoso central, não é uma criança para você fazer a sua analogia e apelo à emoção.

      Sobre a sua pérola:

      "Se uma mulher não quer o seu próprio filho, tenha certeza de que existem várias que querem dar aquilo que quem o gerou não quis dar."

      Existem várias né? Em qual mundo você vive?

      Excluir
  12. Essa rapaz com certeza tem pacto com o capeta,pra dizer tanto besteirol...vai orar a Deus criatura imunda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dispenso qualquer conselho vindo de alguém que se manifesta como você...

      Excluir

Devido a brincadeiras de mal gosto e comentários trolls, os comentários serão moderados a partir de agora. Agradeço a compreensão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...